Loading...

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

LOCKHEED MARTIN/ BOEING F-22 RAPTOR. O futuro do combate aéreo chegou!



DESCRIÇÃO (foto: Mark Carlisle)
O F-22A Raptor representa a nova geração de caças de superioridade aérea dos EUA, substituindo nessa tarefa o consagrado Mc Donnell Douglas F-15C Eagle. O F-22 é muitíssimo superior ao F-15 em desempenho de voo assim como na tecnologia que faz parte de todo o sistema. Além da muito maior manobrabilidade conseguida em parte pelo uso de motores com vetoração de empuxo podendo suportar cargas de 9 Gs em curvas fechadas, ele também é muito difícil de ser detectado pelos radares inimigos, tornando o inimigo cego a respeito de sua presença.
De fato o F-22 é o mais manobrável caça norte americano que já entrou em seviço sendo que é o unico avião de combate da força aérea dos Estados Unidos capaz de igualar as manobras dos caças russos da família Flanker. Deve-se ter em mente, porém, que em termos de manobrabilidade, a diferença entre esses dois aviões é muito pequena sendo que o resultado de um combate à curta distancia, estaria nas mãos do melhor piloto.
Acima: Nesta foto tirada no primeiro deslocamento de caças F-22 para fora do território norte americano, podemos ver dosi tanques de combustivel sub cabides externos na asas. Uma imagem bem rara, na medida que normalmente o F-22 não transporta cargas externas.
A suite aviônica do F-22 tem como principal elemento o avançado radar de varredura eletronica ativa (AESA) Nothrop Grumman AN/APG-77. Uma das qualidades deste radar é sua capacidade LPI (Low Probability of Intercept) que o torna discreto frente aos sensores de alerta inimigos que não são capazes de perceberem que estão sendo rastreado pelo F-22 dado a baixa potencia de emissão do radara APG-77. O Alcance do APG-77 está em 270 Km contra alvos com a sessão frontarl (RCS) do tamanho de um caça (5m2) voando alto, e ele ainda pode fazer varredura ar terra simultaneamente com a busca ar ar, uma caracteristica tipica dos avançados radares AESA que estão sendo colocados em serviço ou em desenvolvimento. Outra importante capacidade que o radar APG-77 traz é o modo de guerra eletrônica capaz de interferir em radares inimigos. Vale observar aqui que a capacidade de guerra eletronica do APG-77 é tão eficiente que acabou por justificar ser o unico elemento de guerra eletronica ativa do F-22, não sendo, assim, instalado nenhum outro sistema comum em aéronaves de combate de geração anterior.
O F-22 é uma aéronave totalmente integrada no conceito de guerra centrada em redes sendo por isso equipada com um novo tipo de sistema de intercambio de dados de banda larga conhecido como IFDL (Inter/intra Flight Data Link) que permite a troca de dados com outros caças, aviões de alerta aéreo antecipado AWACS/AEW e bases terrestres. A capacidade desse sistema é tão ampla que o F-22 pode, através desse sistema, saber dados como combustivel restante nas aéronaves da esquadrilha, armas disponiveis nos outros aviões e ainda poder designar alvos para que um missil do outro F-22 possa atacar.
Acima: Aqui temos um radar APG-77 usado no F-22. Este radar é um dos mais modernos radares aerotransportados já instalado num caça.
A propulsão do F-22 é composta por dois potentissimos motores Pratt and Whitney F-119 P-100 que rendem 15600 Kgf de empuxo. Essa potência é necessária na medida que um dos principais requisitos do projeto era conseguir voar em regime de supercruise (velocidade de cruzeiro supersônica) sem o uso dos pós combustores, garantindo uma economia de combustível, além de que nesse regime, o F-22 é o mais rápido caça em operação e garante uma resposta extremamente rápida e letal num cenário de patrulha de combate. Uma outra característica importante deste motor, esta no fato de que ele possui vetoração de umpuxo bidimensional. Com esta capacidade, em que os bocais dos motores, se movimentam a 20 graus para cima ou para baixo, melhora a agilidade do F-22, principalmente em velocidades mais baixas. Futuramente, uma versão deste motor, a F-119 611, também conhecido como F-135, vai superar essa potência, com 16500 Kgf de empuxo. Essa versão foi instalada nos novos caças F-35 Ligthning II do programa JSF.
Acima: Este F-22 lança um missil AIM-120 Amraam. Notem a porta do painel de armas aberto abaixo do caça.
O armamento do F-22 pode ser transportados em compartimentos internos, para preservar sua furtividade, ou em 4 cabides externos que seriam usados no momento em que não houvesse mais necessidade da furtividade do F-22. Isso ocorreria, por exemplo, quando a superioridade aérea já tivesse sido conquistada e as defesas antiaéreas inimigas estivessem inoperantes. As armas principais são ar ar, na medida em que o avião foi originalmente projetado especificamente para missões ar ar, sendo que uma composição de até 6 misseis Raytheon AIM-120 C/D Amraam e 2 misseis Raytheon AIM-9 Sidewinder é transportada nas 3 caixas de armamentos. Externamente, cada um dos 4 cabides sob as asas, é capaz de transportar até 2500 kg de cargas externas. O F-22A, no final de seu desenvolvimento, teve incorporado uma consideravel capacidade e ataque ar solo. Na caixa de armas principal, podem ser alojados 2 bombas de 450 kg do tipo JDAM, junto com 2 misseis AIM-120 C/D Amraam, ou 8 pequenas bombas GBU-39 SDB, junto com 2 misseis AIM-120. Já, o canhão General Eléctric M-61 A2, de 20 mm, uma arma classica nos caças norte americanos, foi instalado ao lado direito, acima da entrada de ar do motor, onde ele fica oculto até a hora do disparo, para preservar a furtividade do avião.
Acima: Nesse grafico podemos ver o esquema de armamento do F-22 além de ter uma idéia dos tipos de armas que ele transporta.
Porém nem tudo são “flores” quanto a esse avião. Em primeiro lugar podemos citar o impressionante valor da célula que está em torno de U$ 200.000.000,00. O mais caro caça feito até hoje, sendo que a tecnologia de invisibilidade envolvida representa o principal motivo desse valor. Em segundo, lugar a atual tecnologia antifurtiva está colocando em cheque as qualidades de se ocultar dos aviões invisíveis na medida que já se sabe que radares que operem em bandas largas podem detectar esses aviões. É verdade que não podem traqueá-lo para orientar mísseis, mas podem vetorar interceptadores até eles. Esses fatores colocam desafios sobre a verdadeira eficiência sobre esse caríssimo sistema de armas. Uma coisa é certa. Com certeza o F-22 pode, mesmo sendo observado, superar seus inimigos no combate aéreo de longa distancia simplesmente pela incapacidade de se disparar mísseis guiados a radar contra ele, já que os radares dos caças e mesmo dos mísseis atuarem em, freqüências muito baixas para detectar o Raptor, dando a ele, assim , a capacidade de disparar primeiro e escapar de um contra ataque.
Acima: Um F-22 taxia pela pista durante sua primeira apareição num treinamento Red Flag. O F-22 venceu todos os embates simulados em que se envolveu.
FICHA TECNICA DE DESEMPEMPENHO
Velocidade de cruzeiro:
mach 1,5 (1650 Km/h)
Velocidade máxima: mach 3
Razão de subida: * + 15240m/min
Potência: 1.45
Fator de carga: 9 Gs
Taxa de giro: 28º/s
Razão de rolamento: 240º/s
Raio de ação/alcance: * 2500 km/5000km
Alcance do radar: Nothrop Grumman AN/APG-77 com 270 Km de alcance.
Empuxo: 2 Pratt & Whitney F-119 PW-100 X 15600 kgf
DIMENSÕES
Comprimento: 18,92 m
Envergadura: 13,56 m
Altura: 5 m
Peso vazio: 13608 kg
ARMAMENTO
Ar Ar: Míssil AIM-120C Amraam, AIM-9X Sidewinder
Ar terra: Bombas GBU-31 JDAM, Bombas GBU-39 SDB
Interno: 1 Canhão General Electric M-61 A2 de 20 mm
Obs: * significa que o dado é estimado
ABAIXO UM VIDEO ONDE O F-22 EXIBE SUAS QUALIDADES ACROBATICAS.



Fonte: aircombatcb.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário